Carnaval

É engraçado como as coisas acontecem no Carnaval carioca; as pessoas entram num microônibus do tamanho de uma caixinha de fósforo e enchem de fantasias carnavalescas, cheias de plumas, miçangas e paetês (sem falar do fato que o ônibus em si já estava cheio de gente). Tudo isso em nome da alegria de poder desfilar em uma ala de escola de samba; gente pobre e simples tem alegrias peculiares... Eu pensei em tecer mil considerações a respeito do dinheiro gasto com fantasias e a situação do país (blá, blá, blá...), mas em vez disso, resolvi publicar esta música do mestre Vinícius de Moraes, que Deus o tenha!

FELICIDADE

Tristeza não tem fim
Felicidade sim...

A felicidade é como a pluma
Que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve
Mas tem a vida breve
Precisa que haja vento sem parar.
A felicidade do pobre parece
A grande ilusão do carnaval
A gente trabalha o ano inteiro
Por um momento de sonho
Pra fazer a fantasia
De rei, ou de pirata, ou jardineira
E tudo se acabar na quarta-feira.

Tristeza não tem fim
Felicidade sim...

A felicidade é como a gota
De orvalho numa pétala de flor
Brilha tranqüila
Depois de leve oscila
E cai como uma lágrima de amor.
A minha felicidade está sonhando
Nos olhos de minha namorada
É como esta noite
Passando, passando
Em busca da madrugada
Falem baixo por favor...
Pra que ela acorde alegre como o dia
Oferecendo beijos de amor.

Tristeza não tem fim
Felicidade sim...

Comentários

Postagens mais visitadas